Poema de Elisa Lucinda Só de Sacanagem

Poema de Elisa Lucinda Só de Sacanagem
Elisa Lucinda é um dos grandes nomes da televisão brasileira. Nascida no ano de 1958, em Vitória, ela conquistou o público com o seu talento e enorme simpatia. Ao longo da carreira, Elisa trabalhou em várias telenovelas, tais como: Escrava Anastácia, Sangue do Meu Sangue, Mulheres Apaixonadas, Páginas da Vida e, agora, Viver a Vida.

Além disso, ela já participou de produções cinematográficas e realizou algumas peças teatrais. Suas apresentações sempre são carregadas de humor e originalidade. Lucinda também aposta na beleza dos poemas para atrair e encantar o público. Só de Sacanagem é uma de suas composições que fazem sucesso pelo Brasil a fora. Se você ainda não conhece, confira esta poesia logo abaixo.

Meu coração está aos pulos!
Quantas vezes minha esperança será posta à prova?
Por quantas provas terá ela que passar?
Tudo isso que está aí no ar, malas, cuecas que voam
entupidas de dinheiro, do meu dinheiro, que reservo
duramente para educar os meninos mais pobres que eu,
para cuidar gratuitamente da saúde deles e dos seus
pais, esse dinheiro viaja na bagagem da impunidade e
eu não posso mais.
Quantas vezes, meu amigo, meu rapaz, minha confiança
vai ser posta à prova? Quantas vezes minha esperança
vai esperar no cais?
É certo que tempos difíceis existem para aperfeiçoar o
aprendiz, mas não é certo que a mentira dos maus
brasileiros venha quebrar no nosso nariz.
Meu coração está no escuro, a luz é simples, regada ao
conselho simples de meu pai, minha mãe, minha avó e
dos justos que os precederam: "Não roubarás", "Devolva
o lápis do coleguinha",
" Esse apontador não é seu, minha filhinha".
Ao invés disso, tanta coisa nojenta e torpe tenho tido
que escutar.
Até habeas corpus preventivo, coisa da qual nunca
tinha visto falar e sobre a qual minha pobre lógica
ainda insiste: esse é o tipo de benefício que só ao
culpado interessará.
Pois bem, se mexeram comigo, com a velha e fiel fé do
meu povo sofrido, então agora eu vou sacanear:
mais honesta ainda vou ficar.
Só de sacanagem!
Dirão: "Deixa de ser boba, desde Cabral que aqui todo
o mundo rouba" e eu vou dizer: Não importa, será esse
o meu carnaval, vou confiar mais e outra vez. Eu, meu
irmão, meu filho e meus amigos, vamos pagar limpo a
quem a gente deve e receber limpo do nosso freguês.
Com o tempo a gente consegue ser livre, ético e o
escambau.
Dirão: "É inútil, todo o mundo aqui é corrupto, desde
o primeiro homem que veio de Portugal".
Eu direi: Não admito, minha esperança é imortal.
Eu repito, ouviram? IMORTAL!
Sei que não dá para mudar o começo mas, se a gente
quiser, vai dá para mudar o final!

Mais sobre Poema de Elisa Lucinda Só de Sacanagem




Fabio
28/01/10

Mais informações por email.

Comentar sobre Poema de Elisa Lucinda Só de Sacanagem

Destaque

Festa junina decoração

Festa junina decoração